Me tornei pai aos 31 anos, para alguns um pai um pouco diferente pois não sou pai biológico, sou pai de sentimento, pai de coração. Tanto eu quanto ele (o Dudu) temos isso bem claro e não vemos problema algum nesta situação.

Quando me perguntam se sou pai eu respondo “Sou pai de coração, de Sentimento”.
Quando me perguntam se tenho filho respondo com um sonoro SIM. Tenho, é uma figura e o amo muito.

Ser pai é uma troca constante, uma troca de aprendizado, de carinho, de olhares, de afeto. Ser pai é pensar duas vezes antes de quase tudo, ser pai é trocar a resposta “Sim, claro que eu vou” pela pergunta “Irei, mas pode levar criança?”. Ser pai é trocar um carro limpo por um carro quase sempre com migalhas de comidas no banco de trás.

Ser pai é entender o verdadeiro sentido de Cuidar de Alguém sem esperar nada em troca. É se sentir feliz e ao mesmo tempo preocupado, preocupado com o seu empenho, com o resultado dos seus ensinamentos, da sua conduta, do seu exemplo. Preocupado com o hoje e o amanhã desse ser que você ama e chama de filho(a).

Ser pai é ir buscar seu filho(a) na escola em um dia corrido, não achar vaga para estacionar o carro, ficar nervoso e em seguida ver todo o nervosismo sumir ao perceber que ele esta na sala de aula com o olhar atendo para porta esperando por você. Quando ao chegar no carro mesmo que com uma certa timidez ele conta fatos sobre a tarde na escola. Quando você olha pelo retrovisor e ao invés do trânsito caótico você vê um lindo sorriso no centro de bochechas fofas e avermelhadas.

Ser pai é estar no trabalho, escutar passos acelerados chegando em sua sala e saber que é o seu pequeno vindo lhe visitar. Ver a felicidade dele ao sentar na sua cadeira e assistir vídeos em seu computador enquanto conversam dos mais diversos assuntos como se estivessem participando de uma reunião divertida. Ser pai é participar da homenagem na escola dos dias dos pais, gravar a apresentação e não poder mostrar para quase ninguém pois ficou muito tremida. Ou até mostrar mas não confessar que tremeu porque você estava chorando e não prestou atenção no celular.

Ser pai do Dudu é tudo isso acrescido de um amor exclusivo. É se sentir amado por uma criança que provavelmente não saiba nenhum conceito bonito sobre o que é amar mas que ao mesmo tempo sabe melhor do que ninguém demonstrar que este amor existe. É ser lembrando quase todas as noites que precisamos rezar, é perceber que durante um abraço gostoso tem alguém cheirando o seu pescoço e quando você pergunta o que ele esta fazendo ele lhe olha, da um sorrisinho envergonhado e responde “só estou sentindo o cheiro, é bom”.

Teria muito mais para escrever e compartilhar, mas preciso ir. Preciso ser pai, o Dudu me espera. Enfim, ser pai do Dudu é ser e se sentir AMIGO PARA VIDA INTEIRA.

14 de Agosto de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *